A música do Jequitinhonha

Meu canto é um gesto de amor à vida. Canto a solidariedade e a paz, a natureza e o natural, canto o que me alegra e o que me entristece, a complexidade das relações e o trivial da vida.”

A MÚSICA DO JEQUITINHONHA
Coletânea de CDs.

Eternizar a música é prolongar indefinidamente a nossa cultura guardando para as gerações futuras um retrato de nossa sociedade, ultrapassando o tempo e o espaço. É exatamente esse pensamento que norteia a coletânea A Música do Jequitinhonha, que através de uma série de seis CDs registra a arte de diversos cantadores e grupos/corais populares Vale do Jequitinhonha, que é um dos maiores pólos irradiadores de cultura popular no Brasil.

A Música do Jequitinhonha foi um dos projetos integrantes do Viva o Vale! – Programa de Desenvolvimento Sócio-cultural do Vale do Jequitinhonha, uma iniciativa da Avon no Brasil e desenvolvido pelo compositor e cantor Rubinho do Vale.

Rubinho do Vale é uma pessoa que tem o respaldo da comunidade do Jequitinhonha para realizar um trabalho como este, desde cedo convive com as tradições orais e cantos de sua terra, um artista que tem trânsito fácil entre os grandes mestres da música regional, alguns com mais de 80 anos de idade e que pela primeira vez têm um registro de suas vozes realizado.

Nos quatros CDs foram gravados emocionantes registros:


Queremos Navegar

Em Queremos Navegar o Coral Nossa Senhora do Rosário, de Araçuaí, canta a alegria de viver. E como diz Tadeu Oliveira “viver a alegria de forma simples, humilde e coletiva”. São músicas que resgatam os cânticos das lavadeiras da beira do rio, as cantigas dos tropeiros e canoeiros, moradores do Vale e a religiosidade popular. É Uma mistura de rezas, batuques, folias e rodas, mas também mostra a rebeldia do negro fugidio e a resistência indígena. Mostra a força de um povo, que apesar das dificuldades, canta tornando o árido do norte mais fraterno. Este cd é um verdadeiro mergulho nas águas dos rios Araçuaí e Jequitinhonha.


Cantigas do Vale

Em Cantigas do Vale, uma homenagem ao grande trovador de Jordânia, Geovane Figueiredo, que pela primeira vez tem um disco com o registro de sua obra cantada por interpretes do vale. Mais conhecido como Nenguinha, é um poeta nato, estudou pouco, dois anos apenas, mas sabe muito, um mestre da cultura popular, um filósofo do povo. Vencedor de festivais, hoje com seus 79 anos quase não canta nos palcos, mas continua compondo com sabedoria e sensibilidade que lembra mestres como Catulo da Paixão Cearense, Luiz Gonzaga e outros. Geovane Figueiredo é um contador de causos, mesmo com pouco estudo é dono de grande saber e conhecimento intelectual. Conhece muito bem o Brasil, é um amante das vaquejadas, do canto de aboio e beira-mar tem sempre uma cantiga na ponta da língua, antiga ou feita na hora. É um documentarista das histórias, lendas e tradições de um povo mais que encantador. Para interpretar as canções de Geovane, Rubinho convidou vários cantadores do Vale como Wilson Dias, Carlos Farias, Tau Brasil, Nen Viana, Lucinho Cruz, Airton Prates e Helena Santos. Participam também o trovador Newton Oliveira e o cantador Carlos Dobêla.


Pinaco

No CD Pinaco – Um Trovador de Rubim o público vai ouvir trovas desse senhor de 90 anos, que já foi lavrador, vaqueiro, amansador de boi, fabricador de rapadura, serrador, carpinteiro, fabricador de carro de boi, e que freqüentou a escola por apenas dez dias. O Velho Pinaco quase não toca mais sua viola, mas solta sua voz forte e sempre afinada para se alegrar e alegrar quem entra na sua casa. É da sua vida de folião e cantador que ele mais anima de falar. Este disco é um cd forte, denso e lúdico, com cantigas de amor, de cunho social, músicas engraçadas, é mais um registro da poesia popular brasileira, e o trovador canta a capela. Este cd é registro de um dos maiores patrimônios culturais imateriais da cidade de Rubim.

Rubinho mostra cd Pinaco uma grande preocupação com a cultura popular, que para ele é a real construção da alma do povo brasileiro.


Frei chico

Frei Chico, Lira Marques, Dona Generosa e Corais de Araçuaí

é uma emocionante homenagem à pesquisa de Frei Chico e Lira Marques, que iniciaram um grande trabalho de recolhimento, documentação e valorização da cultura musical do Vale do Jequitinhonha. O Frei é um holandês que virou brasileiro, divulgador da cultura do Jequitinhonha, folclorista, com vários livros publicados, Lira uma artesã, cantadeira e parceira do Frei Chico nas pesquisas de cultura popular e nas sua apresentações e palestras pelo mundo a fora.

O disco é um documentário, um registro singelo da música do Jequitinhonha. Nas gravações constam cantos para pedir chuva; de louvor de anjo, cantado quando morre uma criança; benditos e batuques. Tem a participação muito especial de Dona Generosa, uma senhora cantadeira do Coral Trovadores do Vale, que o sofrimento não tirou do seu semblante a alegria de viver, seu sorriso é um banho de otimismo na gente, ela ensinou muitas cantigas para Frei Chico e Lira. Este CD Conta com participação dos Corais Trovadores do Vale, Nossa Senhora do Rosário, Coral do Arraial dos Crioulos de Araçuaí e do Araras Grandes.

O projeto A Música do Jequitinhonha foi realizado com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais e contou com patrocínio da Avon no Brasil e gestão da Cria Cultura.

Os comentários estão fechados.